sexta-feira, 25 de outubro de 2013

Vento

Uma pagina em branco que um dia contou
a mais linda historia que o vento arrancou .
Pedaço de historia que o vento abalou
despedaçada pela crueldade de um vento moribundo.
Triste pagina que sofres um bailado estonteante
na leveza inconformada que a ventania agita
a dor de um tormento da historia .
Luto por ti com a devida força que me sustenta
tudo se perdeu na ilusão da vida ,sai sonhando
com um brilho nos olhos sedentos de uma verdade desconhecida .
Com a devida passividade sem nenhuma certeza
de encontrar tal pagina que o vento levou.
Um vento que continua soprando com vontade de chegar
peregrino de uma historia sem fim ,que mendigas sem pressa
de trazer tal pagina da historia .
Um vento incessante que nada o consegue prender
num sopro absurdo de uma pagina que jamais irei ver .
Uma posse roubada que jamais poderás guardar tal semelhante
tesouro que a historia e a vida tanto reclama em conhecer .

Emanuel Moura


sábado, 19 de outubro de 2013

Utopia

Findo de um velho dia ,um por de sol radiante
como candeias de amor ,que se unem por elos
de paz e amor .
Bem la longe fica um infinito onde o ceu toca o mar ,
numa linda reflexão ofuscante do mistério da vida
Num horizonte onde fontes crescem cheias de paz  e amor
que saciam a fome da esperança e onde a paz se torna luz.
Fontes transparentes de aguas vivas que saciam a fome
daquele que nada tem e liberta o prisioneiro que vive
cativo nas suas ansias de viver .
A noite chega e no
novo amanhecer surgirão novos caminhos
e a esperança renascera na alegria de viver onde jamais o tempo
passara e o amor reinara .

Criar e acima de tudo poder transformar ,a dor em esperança ,a semente em  fruto assim são as palavras que alimentam o amor ,que cada um de nos saiba agradecer cada momento da vida .
                                         Emanuel Moura

domingo, 13 de outubro de 2013

Sedenta Cegueira

                                                            Solidao

    Quantas coisas se lembra a minha alma nesta solidão que respiro quando estou so ,
     tristes lagrimas que não me consolam ate onde me levas o solidão este meu corpo fraco,
     tem paciencia e bondade e deixa-me de me perseguir e se apenas generosa comigo ,
     deixa-me louco de alegria e ensina-me apenas a amar e ser tao doce como tanto anseio .

                                                            Renuncia
 

     Desprendo-me de tudo deste mundo materialista ,sinto-me solto nesta imensidão ,
     meu coraçao  esta sofrido mas cheio de felicidade pronto a brotar um amor imenso,
     porque neste mundo sou apenas um peregrino ,basta de lagrimas derramadas ,
     apenas necessito de paz por isso agarro-me a ti renuncia para que na hora da morte,
     não me sinta mais uma alma que vagueia perdida neste mundo .

                                                                Paz


     Agora sim sinto uma paz imensa no meu coraçao ,um doce desejo de viver na simplicidade
     ofegante da renuncia e entrega a vida pela paz de todo o meu ser .
     Paz no meu ser que agora descanças tranquilo que no silencio me concedes um egoísmo
     oculto e misterioso que me acompanha nesta vida .
     Paz na minha alma que me serve de consolaçao na ansiedade e nos suspiros sedentos do descanso
     que tanto procuro e alenta a minha alma
     
      Muitas vezes um simples gesto nos conforta e nos da o animo necessário para enfrentar momentos e decisões que a própria vida nos concede .....

                                                                
                                                        Emanuel Moura

domingo, 6 de outubro de 2013

"Amo-te "


Naquele dia cinzento onde tudo estava triste parecia estar prestes a começar a chorar lagrimas de anseios no seu lindo rosto inchado que acentuava as suas pequenas rugas ,aquela mae sentada junto de  uma janela onde uma leve brisa de vento que teimava em desmanchar os seus  lindos cabelos prateados pelo tempo que tanto embelezam o seu rosto .Neste dia tratava-se apenas de um conflito de emoções maternais de uma mae preocupada pelo destino do filho ,mas que poderia ela fazer se o destino o chamava ,seus medos eram imensos de o perder ,apesar de ser uma mulher forte e resistente perante as adversidades da vida via-se nela a vulnerabilidade delicada de tao feminilidade mulher que por momentos se perdeu  irremediavelmente nas infindáveis lagrimas que a recriminavam de tal obstinação de percepçao do seu filho mudar de vida .Apesar do antagonismo que exercia sobre a sua vida influenciava o seu inconsciente que procurava uma desculpa para evitar tal momento de sofrimento que o fazia sentir culpado mas ao mesmo tempo uma extraordinária sensação de alivio .Por momentos olhares se trocaram sem dizerem uma palavra sequer ,foi então que num suspiro de resignação pelo rumo da vida num comovido gesto e depois de uma pausa curta desconfortante pela subtileza dos pormenores desse dia agreste lembrou-se de dizer algo que mudaria a sua vida , a expressão transformou-se numa sensação de alivio e sorriu,esse sorriso deslumbrante estava de volta ,pois ele não a censurava de ter tido tal frieza pois as despedidas são sempre tao delicadas como as saudades que teimam em não passar ......

Emanuel Moura

terça-feira, 1 de outubro de 2013

Vida

Sou nada mais que aquilo que não sou
nada mais que isso e muito menos que aquilo que não sou .
Não serei aquilo que tu es ,nem nunca o serei
serei apenas aquilo que tu não es
porque es aquilo que eu não sou .

Vida intrigante e consciente
dos momentos e dos porquês
das perguntas que não terminam e
das respostas que não tem fim .

Complicada  ou simples
apenas fara sentido para aquele que nada teme
que vive sem medos nem anseios
que vive a vida como ela se apresenta
sem queixumes nem obrigações .

Nasceremos e morreremos
numa morte anunciada
súbita sem hora nem dia
que num ápice tudo acabara
sem ter sido aquilo que tu foste
ou naquilo que eu queria ser
apenas fui simplesmente ......

Emanuel Moura